{foto Lê Buzato}

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Ano-Novo***

Ao pensar fundo na questão, todo início de mês poderia ter cheiro de "Ano-Novo" não é? Dá pra perceber o quanto a gente fica sensível e "cheios de esperança" à essa época do ano?
Pois é...partindo desse princípio, penso que essa "vontade-de-não-sei-o-quê" poderia se repetir ao longo do ano e junto dela, essa renovação, esse bem-querer, do qual vamos nos distanciando a medida que voltamos à realidade do dia-a-dia: tarefas, compromissos, cobranças, pressões vão deixando a vida cor-de-rosa para trás...loooonge....as vezes até dá para esquecer esse viés da vida tão doce. Poderia ser assim.
Contudo, vale lembrar que quando estamos ainda sob "efeito-hipnótico" da força do ano que acabou de virar, sempre as pessoas têm coisas boas para afagar seu espírito. No final de 2010 e início de 2011 estive na primeira praia do Rio de Janeiro: Trindade. Posso garantir que foi o Ano-Novo mais louco que já tive na vida. Na virada a Prefeitura da pequena aldeia, que não passa de uma vila, ou uma cidadela melhor espressando-se, contratou "clowns" para realizar malabares ao longo da praia. Foi realmente I-N-C-R-Í-V-E-L!!!! Parecia que estava sonhando um sonho real. pois conseguíamos sentir o calor das brasas incandecentes girando em torno de nossos olhos. Os clowns estavam vestidos como garçons e logo depois que pude perceber de que eles nos serviam...foi magnífico!
Antes desse espetáculo, tivemos o show dos fogos no céu estrelado, pareciam se juntar às estrelas sorridentes e tudo ficou muito colorido. Colocamos incensos dos quais os cheiros nos trazem valiosos significados e assim foi nossa noite. Não demorou muito para cairmos no sono e foi assim...ouvindo o barulhinho mágico do mar que entramos nesse Ano de 2011, com muita Fé no coração e fazendo uma prece. Prece esta de quem espera que esses dias ensolarados irradiem e iluminem o ano todo, e que nossos pedidos a Deus por fim, se consolidem como verdade.
Ah! Quase ia me esquecendo: por esses dias. tiveram muitas coisas engraçadinhas como por exemplo: A Cínthia pisou na praia e não deu cinco minutos foi pedida em casamento pelo Currientes, um artesão-argentino que passava uma temporada por lá; o Jerônimo encontrou um cachorro que cavocava a areia e esse mesmo cachorro roubou o chinelo da Cínthia e o destruiu (hehe, mto engraçado a gente correndo atrás do cachorro); a Nahara engatou um namoro com o Jegê, meu enteado; fui visitar meu filho Lucas na Pousada em Ubatuba na Pousada em que estava trabalhando; o dono da casa de pescador onde ficamos só falava "cuida da casinha", que virou um jargão; essa praia tinha um bando de bicho-grilo e maconheiro; aprendi, definitivamente a nadar e a cuidar da minha TPM e conhecemos o Vitor e o Daniel, uns caras geniais fotógrafo e ator, respectivamente.
Irei anexar as fotos depois tá?...............................................................


Espero que em 2011 nossos sorrisos nunca se apaguem de nossos lábios...
Beijokas mil,



Syy

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Natal tem cheiro de canelinha***

Queridos leitores!

Nosso blog está aniversariando marcando uma margem de 117 visitas! Estou bastante orgulhosa por saber que, eu, uma ilustre desconhecida, tive por 117 vezes "alguém/alguéns" lendo minhas escritas, meus sentimentos, srsrsrsrrs............

É bem verdade que há tempos não ando escrevendo nada, e não é por falta de assunto não, tenho assuntos às pencas, o que me falta é paciência mesmo. Minha internet é muito ruim, as vezes fico por horas com ela conectada para carregar uma foto para o blog, haja!!

Escolhi bem este dia de Natal e "nosso aniversário" para contar as últimas, ou seja, algumas alegrias e uma tristeza com cheiro de canelinha, literalmente.




Jantar com meus familiares



Jantar que preparei para minha família



Eis que hoje, pleno Natal, estava na casa de meus familiares no interior de São Paulo e, chegou meu irmão fazer uma visita. Tivemos a oportunidade de trocar algumas ideias e jantarmos juntos bem descontraídamente. Foi muito bom mesmo.






chegada na Avenida PAulista...um trânsito!!!




Na semana do Natal, eu, meu marido e as crianças, fomos fazer um tour pela Avenida Paulista, Ibirapuera e Avenida Europa. Gente! Não dava para acreditar!





passarela no contro da avenida Paulista


Na Paulista, as pessoas caminhavam tranquilamente com máquinas fotográficas nas mãos, no Ibirapuera crianças brincando livremente, parecia que eu estava sonhando em vivenciar uma São Paulo assim...eu amo esta cidade.







Já pensei inúmeras vezes em me mudar daqui, mas não adianta, todo stress causado pelo caos do trânsito e a loucura de uma cidade grande é aliviado quando temos a liberdade de sentir a cidade desta forma.





O Trianon estava lindo!!


Edifício na Av. Paulista




Evidentemente tudo muito policiado para evitar possíveis transtornos. Foi muito lindo ter propiciado aos meus filhos essa sensação de ver o Natal tão de pertinho.



àrvore no Parque Ibirapuera


Agora vem a parte triste...na mesma semana do Natal, recebi uma notícia que me deixou muito abalada até agora e apesar do nome de meu blog ser festa formidável, nem tudo na vida é festa portanto vou descrevê-la aqui, pois já a deixei num lugar bem especial que é onde ela cabe, bem no meu coração.






foto tirada em 2009 por ocasião do aniversário de meu compadre


Trata-se de uma pessoa que se foi de nosso convívio, D. Nair, uma pessoa sim formidável, que tem cheirinho de mãe e estar ao seu lado sempre era uma festa. Lembro-me das últimas vezes que nos vimos, uma delas, há pouco mais de um ano atrás no aniversário de meu amigo e compadre Zé Luiz. Conversamos por horas sobre uma viagem que ela fizera pela Europa e das novidades que ela viu por lá. Nesse mesmo dia, eu disse a ela para relatar todas essas experiências inclusive com receitinhas que ela gostaria de contar a história de cada uma. Talvez ela já até tivesse a ideia de escrever tal livro de memórias, mas naquele dia, eu a incentivei muito, inclusive disse-lhe que seria uma das primeiras pessoas a querer um exemplar. Para minha felicidade, meu amigo Zé, esteve na casinha dela dias depois e descobriu que ela tinha um diário onde descrevia toda a felicidade de estar perto dele, e contava sobre suas geléias de jaboticaba e as abobrinhas que colheu em seu quintal. Fiquei tão feliz ao saber do diário pois sei que suas memórias poderão ser eternizadas através de seu olhar, por meio de suas palavrinhas. Ainda sinto vontade d echorar quando me lembro dela, boa senhorinha que, com seu jeitinho matreiro e encantodor, até por vezes me lembra Cora Coralina. Muito positiva e muito radiante, deixou um buraco em nossos corações e um Natal mais iluminado...

E olha só viu! Ela fazia um bendito bolo de chocolate com morangos que nunca comi nada igual. Era divino!

A última vez que a vi, foi no casamento do meu compadre, no qual eu e o Jê fomos padrinhos. Ela estava reluzente de tão feliz, esta linda e iluminada, tal qual foi sua passagem por nossas vidas. É D. Nair...a senhora deixará muitas saudades...




Com amor,
Symone Olivier



















Crefisa, na travessa da avenida Europa

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Arroz com frango da mamãe!!




Dias desses, uma amiga esteve em casa e disse-me....

"-Siii......sua casa tem um cheirinho de.......................(parou e pensou um pouco, por fim respondendo-me):

"-Mãe!"

Fiquei a princípio sem ententer e então ela me falou...
"-Ah!...Como é o cheirinho da sua mãe?"
E então comecei a viajar para dentro de mim e pensar o quão terno é o cheirinho de minha mãe, é um cherinho doce, mas não melado, um "cheirinho-quentinho", talvez pelo calor de seus afagos, um cheirinho de que sempre tem uma comidinha no fogão e uma cama quentinha a minha espera, um cheirinho de chá de mil ervas com mel, muitas dessas ervas colhidas ali mesmo, no quintal que ela preserva tanto......
Abri um sorriso para minha amiga e ela me respondeu "esse mesmo!!" srsrsrsr.................(acho que todas as mães tem esse cheirinho né!). Fiquei com uma semana praticamente de cama por causa de uma unha encravada (!!!) e pensei muito nisso. Me deu tantas saudades de minha família e lembrei-me de diversas passagens de minha infância, até chorei de tanta saudades deles todos.
Quando "sarei" da unha, fiquei tão feliz, que saí com meus filhos no quintal de casa colher amoras e fui fazer geléia, exatamente como quando eu tinha 10 anos, na casa de meu vizinho Guilherme tinha uma árvore de goiabas e as colhíamos de balde. Nossas vizinhas davam açúcar e eu fazia geléia para a vizinhança.
À noite achei de fazer uma receita que eu adorava! Minha mãe chegava sempre muito tarde em casa, pois lecionava em dois períodos e tinha que correr com o jantar para meu irmão ir para escola. Fiz como meu olhar de menina lembrou-se de minha mãezinha na beira do fogão preparando esse delicioso prato. Fui percorrendo todas as etapas e não é de ver que deu certo! Com vocês...arroz com frango de minha mãe, bem conhecido também aqui em São Paulo como galinhada. (em breve o farei novamente e anexarei a foto original pois qdo lembrei de fotografar....era tarde demais, srsrsrsr)

**ARROZ COM FRANGO DA MAMÃE**

Pegue uma panela bem funda e ali refogue uma cebola até ficar bem douradinha. Por cima dela, deite pedaços de uma frango inteiro com pele e osso (importante) temperado a seu gosto um dia antes. Por cima do frango despeje: tomate, alho, pimentão vermelho e de cheiro, colorau, sal, sazón, um pouco de coentro, pimenta do reino e caldo de galinha. Mexa e deixe até começar a secar a água que solta. Vire todos os frangos e deixe dourar um pouco. Nesse ponto, a água que servira para cozinhar já deve estar quase fervendo. Despeje o arroz cru e refogue um pouc o nessa mistura. Por cima de tudo isso, despeje a água fervendo e quando começar a borbulhar, abaixe o fogo, com panela semi-tampada. A medida da água é a seguinte: para cada medida de arroz, duas medidas de água fervente e para a galinhada, uma medida e meia em média a mais, porém deixe um pouco de água na panela para pingar caso haja necessidade.

Quando estiver pronto, desligue o fogo e jogue dentro da panela, uns ramos grandes de salsinha. Aguarde uns 10 minutos para começar a comer.

Delicioso........bom apetite!!!!

Beijoooooo mãe!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

É solitário andar por entre as gentes**

**É um não contentar-se de contente...



é cuidar que se ganha em se perder.....****






Eis que no feriado de 7 de setembro de 2010, fui literalmente "despachada" pelo meu marido para a praia (risos) com meus dois filhinhos pequenininhos, a fim de vivenciarmos um período sabático de cinco longinquos dias. Como bem pode-se supor, período sabático para ele, evidentemente e que isso fique bem claro aqui. Porque? POr uma questão de lógica apenas; veja: ele é quem ficará na solitude de nosso lar, sem tanto comprometimento com trabalho, na ausência da esposa e filhos. Sem dúvida, a vida que todo marido pede a Deus de vez em quando, srsrsrs.





Para mim, nem tanto, pois, além de enfrentar na ida horas a fio na estrada e contratempos na localização de nossa estadia, sozinha e com duas crianças a tira-colo e, com chuva ainda por cima, realmente, não é uma tarefa das mais fáceis, contudo, até que foi bem bacana no desenrolar da trama.

Chegamos na sexta-feira, dia 03 de setembro. A cidade parecia uma cidade fantasma: não tinha nada de nada aberto, não haviam pessoas pelas ruas e o barulho do mar com o vento frio fazia tudo parecer até meio sinistro.

Lembrei de minha irmã. Nos primeiros anos de seu casamento, eles saiam de carro nos fins de semana para desbravar horizontes, conhecer lugares, saíam sem destino e eu os admirava tanto por isso...Certa vez, meu sobrinho Rafael era bem pequenininho e eles foram para em uma cidadezinha chamada "Rafardi". Meu sobrinho ouviu por anos todos falarem que passaram por uma cidade de nome parecido com o dele. Para eles tudo era festa. Eles sempre foram tão unidos! Acho lindo isso!!




Quando me vi na mesma situação deles, não achei tanta graça...De certa forma tive um pouco de medo por estar sozinha, esta é que é a verdade.




No dia seguinte, após o café da manhã fomos para a praia e aproveitamos bem o dia. À noite fomos para a feirinha de artesanato em Mongaguá onde conheci a Dona Cida, uma senhorinha prá lá de especial que tem olhos cor de céu de outono e mãozinhas de fada. Vejam o post de algumas das maravilhas que ela faz!! Gente do céu, que trabalho mais encantador!!! Fiquei maravilhada e, claro, "fui obrigada" a comprar uma maravilha dessa para mim. Ela fica num box da Feira de Artesanato de MOngaguá, o nome de seu espaço é "Teorema". Se alguém se interessar, pode encomendar que ela envia por sedex.


After day.......................


Foi aí que ficamos um pouco entristecidos {humpfts}. O frio desembarcou por lá e junto dele, uma chuvinha bem fininha e chata. Estava eu e os pimpolhinhos fazendo uma caminhada pela orla, quando começou a garôa, tivemos que voltar correndo.

Fomos então andar pela Praia Grande em lojinhas (comprei um chinelinho pra mim bem bunitinho), fui à manicure, fomos ao balcão de informações da cidade, fomos ao Extra comprar ovomaltine, bolachas e shampoo, outra lojinha comprar colar e anel de surfista para os pequenos e, por fim, voltamos para o almoço. As crianças brincaram e fizeram novos amigos. E assim sucederam-se os demais dias.







Conhecemos uma menininha chamada Laura que fez aniversário e a mãe dela comprou um bolo bem gostoso. Achei a ideia super bacana, ela chamou os novos amigos e todos cantaram parabéns a ela. Bem original "esse jeito" de festejar longe do contexto familiar. Ela estava fazendo 10 anos e meus filhos pediram que eu comprasse um presentinho a ela. Muito carinhoso da parte deles, já posso notar que eles não serão trogloditas insensíveis com o sexo oposto, srsrsrsr.

No dia 7 de setembro, tomamos café da manhã e saímos para passear. Esticamos até Santos e seguimos até o Centro Histórico, como já há de se saber, eu adoro essas coisas.


Passamos pela "Igreja Gótica"





Ilha Porchat Club, monumento aos 500 anos de São Vicente, por Oscar Niemeyer,





Pinacoteca


Foi uma pena, mas a Pinacoteca do Estado que fica em Santos abria somente as 14horas e não tivemos oportunidade de voltar depois, sniff...De lembrança restou apenas esta foto.






Bonde

No Centro Histórico de Santos, o passeio de bonde, é realmente uma das passagens "obrigatórias e inesquecíveis". Muito bacana mesmo...esse bonde tem mais de cem anos, todo restaurado e, em suas áureas épocas, foi o único transporte. Dessa forma podemos concluir que as pessoas se misturavam, não havia classe social, nem raça, etnia ou crença, todos estavam ali.











O "vovô sabe tudo" é um carinho à parte dentro do bonde. COm a finalidade de exaltar a melhor idade, o bom velhinho foi contratado para enaltecer grandes momentos vividos através do bonde, do qual ele vivenciou e atuou como maquinista durante 14 anos. Uma gracinha de pessoa, nos contou momentos incríveis que viveu ali e como construiu sua família ao conhecer sua esposa, o que já passa dos 46 anos. Fofo não é?








Bonde funicular (Monte Serrat)
Genteee!!! Essa foi demais! Jamais em minha vida eu imaginaria algo assim, sobretudo aqui bem pertinho, em Santos!
A parada é a seguinte: Bonde funicular. Um bonde que sobe e desce ancorado por um cabo de aço e içado por uma roldana. Detalhe: ele se movimenta em cima de uma rocha íngrime e, de lá do alto, Santos e o porto se encontra à nossos pés. É assustador no começo, mas o cenário é lindo, vale a pena...






Dentro da casa onde funcionam os maquinários, há um bom tempo atrás, funcionava um cassino e toda elite santista frequentava o lugar com suas apostas, De lá saíram muitos novos-ricos bem como, milionários à beira da falência. Coisas de jogo...
Hum, tem uma cafeterie lindinha la em cima e um belíssimo salão, na qual todo fim de semana tem festa de casamento. Puxa que ideia incrivel essa, adorei isso!



Você já deve ter ouvido falar que para descer, todo santo ajuda, ufaaa.............Dá um medooooo!!!!!!!!!!


Parada obrigatória: Almoço na Quinta


Neste dia que foi feriado, o único restaurante aberto no Centro Histórico de Santos era a Quinta da XV (XV de NOvembro, seu endereço) e lá fomos para apenas um almoço sem maiores pretensões. Que sorte a nossa..................




O Chef e dono da casa, mais conhecido como Português, Sr. José Paiva capricha nos sabores da "terrinha" e pude notar que faz questão de conversar com todos os clientes, o que torna o lugarzinho mais acolhedor. De quebra ainda por cima, o almoço é servido embalado por música apenas orquestrada na qual um casal faz as vezes em torno de um violino e flauta. Que almoço poderia ser mais encantador do que esse num dia como o de hoje?

Os pratos não se fixam apenas na culinária portuguesa, os dotes do português foram ampliados para comidinhas de nossa nação, com direito a bife com batatas fritas, porém para mim, o que mais amei foi o bolinho de bacalhau que comi deliciosamente acompanhado por uma bela latinha de cerveja, srsrsrsr........se eu estivesse ao lado de meu marido ficaríamos horas por ali, bebericando e beliscando essa especiaria trás dos montes.

Adorei os quadrinhos feitos especialmente para o restaurante por alunos da APAE santista, cada qual com sua característica:
O primeiro com a oração à Imaculada Conceição de Maria,




O segundo contando curiosidades em torno dos bigodões portugueses,



O próximo em se tratar de Maria rainha de Portugal,




e por fim, a Lenda do Galo de Barcelos. Simplesmente uma graça...






Só para complementar, nas paredes do simpático lugar, há diversos quadrinhos com fotos de personalidades que ali estiveram, reportagens de jornais e circuito gastronômico e alguns relicários portugueses como esse "chapeuzinho da madeira" (Ilha da Madeira) o qual lembra o gorro do Papa porém, todo enfeitadinho artesanalmente, lindo demais. Eu sugeri que o proprietário colocasse seu preço para me vender de tanto que amei, mas não teve negócio devido ao valor inestimável para venda. Sniff.......srsrsrrsrs.





Bolsa Oficial do Café




Construído de forma bastante cuidadosa nos detalhes e grandiosidade, o edifício inaugurado em 1922 como parte das comemorações do centenário da Independência do Brasil, tornou-se um dos cartões postais mais conhecidos da cidade de Santos.








Tudo o que imprime aos visitantes de primeira viagem como eu, são a valorização da riqueza de materiais e ostentação do ambiente, o que nos leva imediatamente a notar a importância que o "ouro preto" tinha na época.







Lá fomos parar por ocasião do lançamento do novo livro de Laurentino Gomes intitulado "1822" no qual visa "Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil - um país que tinha tudo para dar errado. E, no entanto, deu certo" (notas do livro). Estou curiossissima para saber mais sobre essa combinação imperfeita.


Eu diante inúmeros rótulos de café existentes no mercado.





O Museu é incrível, embora não tenho conseguido "absorvê-lo" por completo pois com crianças pequenas é difícil concentrar.





Tão logo visitamos o Museu que havia dentro da Bolsa Oficial do Café, avistamos que já estava ficando lotado e resolvemos entrar na fila de autógrafos. Havia um buffet contratado para o evento, oferecendo um coquetel durante a espera que aliás nem foi tão longa, mas que eu achei muiiito chique: de comidinhas apenas cuscuz de bacalhau ou de camarão e mini espetinhos de tomate-cereja, mussarela de búfala e manjericão. Para beber: água, vários tipos de sucos e, acreditem se quiser: Veuve Clicquot em charmosas tacinhas perambulando Museu adentro pelas mãos de alguns garçons bem educadíssimos, srsrsrsrsr. Foi de babar...............mal eu conseuia crer que estava ali, naquele momento. Ahh, claro! Não posso deixar de mencionar: um casal tocando as mais lindas canções de MPB ao toque de flauta-doce e violino. Belíssimo!!!




Eu e meus pequeninos ao lado de Laurentino Gomes, autografando "nosso livro".


Gostei tanto dessa passagem, que pretendo voltar em breve para contemplar os demais cartões postais de Santos, que não deu tempo de xeretar.

Farei novas postagens depois....beijokas da

Sy~**
Byee



**Lenda do Galo de Barcelos***
A lenda do Galo de Barcelos narra a intervenção milagrosa de um galo morto na prova da inocência de um homem erradamente acusado. Está associada ao cruzeiro seiscentista que faz parte do espólio do Museu Arqueológico, situado no Paço dos Condes de Barcelos.
Segundo a
lenda, os habitantes de Barcelos andavam alarmados com um crime, do qual ainda não se tinha descoberto o criminoso que o cometera. Certo dia, apareceu um galego que se tornou suspeito. As autoridades resolveram prendê-lo, apesar dos seus juramentos de inocência, que estava apenas de passagem em peregrinação a Santiago de Compostela, em cumprimento duma promessa.
Condenado à
forca, o homem pediu que o levassem à presença do juiz que o condenara. Concedida a autorização, levaram-no à residência do magistrado, que nesse momento se banqueteava com alguns amigos. O galego voltou a afirmar a sua inocência e, perante a incredulidade dos presentes, apontou para um galo assado que estava sobre a mesa e exclamou: "É tão certo eu estar inocente, como certo é esse galo cantar quando me enforcarem."
O juiz empurrou o prato para o lado e ignorou o apelo, mas quando o peregrino estava a ser enforcado, o
galo assado ergueu-se na mesa e cantou. Compreendendo o seu erro, o juiz correu para a forca e descobriu que o galego se salvara graças a um nó mal feito. O homem foi imediatamente solto e mandado em paz.
Alguns anos mais tarde, o galego teria voltado a Barcelos para
esculpir o Cruzeiro do Senhor do Galo em louvor à Virgem Maria e a São Tiago, monumento que se encontra no Museu Arqueológico de Barcelos.